Escala Denver: ferramenta para avaliação do desenvolvimento infantil

Escala Denver: ferramenta para avaliação do desenvolvimento infantil

Durante os últimos dias, várias de nossas conversas aqui em nosso blog tiveram como assunto principal o desenvolvimento infantil. Como já explicamos, entender como ele funciona é essencial para que os pais consigam acompanhar seus filhos da forma correta.

Pensando nisso, resolvemos trazer hoje uma ferramenta que também pode te ajudar a entender como o seu pequeno está se saindo nesse quesito. A Escala Denver é um método muito interessante e eficaz para quem deseja acompanhar o desenvolvimento de uma criança ainda em sua primeira infância, e avaliar se ela possui algum atraso ou anormalidade.

Antes de começarmos nosso bate-papo, no entanto, precisamos colocar alguns “pingos nos is”. O Teste de Denver não é um “medidor de inteligência”, e muito menos uma ferramenta para diagnóstico de distúrbios emocionais ou de aprendizagem, e já já você vai entender o porquê. Além disso, é sempre importante realizá-lo com o auxílio de um profissional habilitado, seja ele um pediatra, neuropediatra, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo ou psicólogo infantil.

Ok então. Com tudo isso devidamente esclarecido, vamos ao que importa!

Afinal: o que é o Teste de Denver?

É, basicamente, um método de observação do desenvolvimento infantil. Para isso, ele usa uma escala muito ampla e completa para analisar o desempenho do pequeno em uma série de atividades separadas em 4 áreas diferentes:

  • pessoal-social (diz respeito às capacidades de socialização da criança dentro e fora do ambiente familiar);
  • motricidade fina (analisa o nível de coordenação olho-mão do pequeno por meio de pequenos objetos);
  • linguagem (consiste na percepção das habilidades da criança em produzir sons, reconhecer coisas, compreender ideias e se comunicar);
  • motricidade ampla (analisa o controle motor corporal do pequeno, incluindo atividades como sentar, pular, andar, caminhar e qualquer outro movimento de musculatura ampla).
E como ele funciona?

Aí é que vem a parte mais bacana e divertida de todo o processo. A Escala Denver é composta por nada mais, nada menos que 125 tarefas que, dispostas e organizadas dentro de uma espécie de “gráfico”, são divididas entre as 4 áreas citadas acima.

Cada tarefa, por sua vez, é representada por uma pequena barra que mede a porcentagem de cumprimento desta, que varia de 25 a 90% (veja abaixo). A parte branca indica que 25 a 75% das crianças, nessa idade, ainda não são capazes de executar a tarefa. Já a parte sombreada, por sua vez, indica que 75 a 90% das crianças já deveriam executar a tarefa.

pequena barra que mede a porcentagem de cumprimento das tarefas na escala Denver

Para testá-las, são necessários os seguintes materiais (todos vêm no kit do teste):

  • 1 pompom vermelho de lã (de aproximadamente 10 cm de diâmetro);
  • 10 blocos de madeira coloridos (quadrados e com 2,5 cm de lado);
  • 1 pote pequeno com abertura estreita;
  • 1 chocalho com cabo estreito;
  • uvas passas;
  • 1 boneca de plástico pequena (e com mamadeira);
  • 1 copo de plástico com alça;
  • papel em branco;
  • 1 lápis vermelho;
  • 1 sino pequeno;
  • 1 bola de tênis.

Por fim, para ajudar a determinar quais atividades a criança já deveria estar executando em certo período de sua vida, existe uma escala de idades localizada nas margens superior e inferior do teste. Basta encontrar a idade do seu filho, riscar uma linha vertical acima dela (e cobrindo todo o “gráfico”) e começar os trabalhos (sempre da esquerda para a direita, até o final da linha traçada).

Na prática

Com o teste em mãos, encontre a idade do pequeno nas escalas superior e inferior do teste e, com uma régua, trace uma reta para determinar até onde vão as atividades as quais ele será testado.

Depois, para cada área (sinalizadas no canto esquerdo do teste), tente realizar com o pequeno, pelo menos, as 3 primeiras tarefas mais próximas da linha da idade (e à esquerda desta). Se ele não conseguir cumprir qualquer uma destas, adicione mais 3 (sempre no sentido direita – esquerda) até que ele consiga executar 3 tarefas consecutivas.

Lembrete: a criança deve ter, no máximo, 3 tentativas para realizar cada tarefa.

Continue a executar cada uma das tarefas até que a criança tenha 3 falhas consecutivas. Depois, peça ajuda de um profissional para conferir se os resultados obtidos são típicos para a idade do pequeno.

Pontuação

Cada tarefa pode receber a seguinte avaliação:

  • P (passou) – se o pequeno conseguiu realizar a tarefa;
  • F (falhou) – se ele não conseguir cumprir a tarefa;
  • C (cuidado) – se o pequeno não conseguir terminar a tarefa, ou se recusa a fazê-la e sua linha de cumprimento cai de 75 a 90%;
  • NO (não houve oportunidade) – se, por algum motivo ou restrição, o pequeno não conseguiu realizar a tarefa;
  • RE (recusa-se) – se o pequeno se recusa a cumprir a tarefa.
Interpretação

Normal: é quando não são identificadas falhas com relação às atividades e, no máximo, um C (de CUIDADO). Neste caso, a conduta correta é realizar o teste novamente com a criança em outra oportunidade.

Risco: é quando são registrados 2 ou mais Cs (CUIDADO) e/ou um ou mais Fs (FALHAS). Aqui, o recomendado é realizar o teste novamente dentro de 1 ou 2 semanas.

Não testável: quando há mais de um R (RECUSA-SE). Recomenda-se realizar o teste novamente dentro de 1 ou 2 semanas.

Exemplo

Que tal usarmos um exemplo fictício para tornar tudo mais fácil? Hoje, vamos fazer o Teste de Denver com o….. Davi! Ele tem 2 anos e é super ativo. Então, o primeiro passo é traçar uma reta vertical que vai delimitar a sua idade.

Escala Denver: ferramenta para avaliação do desenvolvimento infantil com linha indicando que a criança tem 2 anos

Para cada área, o objetivo é tentar realizar, pelo menos, as 3 tarefas que estão mais próximas da linha da idade. Em nosso caso, funcionaria assim:

  • na área pessoal-social, vamos observar se o Davi já consegue lavar e secar as mãos, escovar os dentes com supervisão e vestir a roupa;
  • na área motor-fino adaptativo, as tarefas propostas seriam empilhar 6 cubos, empilhar 4 cubos ou empilhar 2 cubos;
  • e assim por diante.

Se o Davi não conseguir cumprir qualquer uma dessas tarefas, tente fazer com ele realize mais três (sempre para a esquerda) até que sejam cumpridas 3 consecutivas.

No final, é só analisar os resultados obtidos e compará-los com os parâmetros de interpretação!

E, por fim: por que esse teste é importante?

Por meio da realização de cada uma dessas tarefas (de acordo com a idade, claro), é possível detectar possíveis atrasos cognitivos e mentais em crianças de 0 a 6 anos. Isso é muito importante porque, como já explicamos em outros de nossos textos, o diagnóstico precoce de qualquer distúrbio é essencial para o sucesso de seu tratamento.

Sendo assim, não deixe de ficar por dentro dos marcos de desenvolvimento do seu pequeno, e faça questão de acompanhá-lo bem de pertinho com a ajuda de um profissional qualificado. Assim, pode ter certeza de que ele estará resguardado e em excelentes mãos!

Um abraço e até a próxima!